Quem sou eu

Terra da Garoa, SP, Brazil
Teresinha de Almeida Ramos Neves, para os familiares e amigos Tê ou Téka, profissional do Direito e da Ciência Política. Casada, mãe de três lindas filhas.De 1987 a 2008 trabalhei na Câmara de São Paulo, passando por todos os cargos de gabinete. Em 2008, um importante projeto político me levou à Câmara Municipal de Guarulhos onde ocupei os cargos de Diretora de Licitações e Contratos e Diretora de Comunicação e TV Câmara. Em 2012 fui candidata a vereadora por São Paulo e agraciada com a confiança de 5.645 cidadãos desta linda cidade. Voltei à Câmara de São Paulo, no gabinete do Vereador Pastor Edemilson Chaves, onde exerço a função de assessora jurídico-legislativo. Sou amante de bons livros, eclética por natureza, sonhadora por decisão e conquistadora pela graça de Deus. Apaixonada pela vida, não me canso de agradecer pelos obstáculos que me permitem crescer. Amo os amigos e busco a conquista dos possíveis inimigos. Não me agrado da inércia (estagnição, inatividade, apatia, preguiça) e nem da indolência (distância, frieza, desleixo, negligência) mas prezo pela excelência e pela dinâmica da vida. Minha família, minha razão; Jesus, minha maior inspiração!

Pastor volta à Cesaréia: um exemplo a ser seguido!

Pastor abandona púlpito de megaigreja e vira “sem teto”

Durante uma semana, pastor experimentou o que ser um “sem teto”




Pastor abandona púlpito de megaigreja e vira “sem teto”

O pastor Thomas Keinath, da megaigreja Calvary Temple, localizada em Wayne, New Jersey, abandonou o púlpito de sua congregação, que reúne mais de 2000 pessoas a cada domingo. A Calvary fica em um bairro rico da cidade e o pastor surpreendeu a todos quando anunciou que passaria a morar nas ruas como um “sem teto”.

Podendo escolher entre tirar uns dias pra ficar com a família ou participar de alguma conferência eclesiástica, ele passou uma semana de suas férias vivendo entre os sem-teto e mendigos de Paterson, cidade vizinha de Wayne.

Durante o dia, ele podia ser visto vagando pela cidade, parecendo apenas mais um homem sem ter para onde ir. À noite, ele se juntava a outros moradores das ruas, fazendo fogo em tonéis para manter-se aquecido enquanto as temperaturas caíam drasticamente. Várias noites ele dormiu rodeado de lixo sob o viaduto de uma estrada interestadual. Ele passou a escrever “mini-biografias”, das cerca de 50 pessoas que conheceu, para poder lembrar-se delas e de suas histórias de vida.

Por que ele fez tudo isso? Para o pastor, a explicação é simples: “Eu precisava entender o que eles estavam passando, eu precisava sentir a sua dor. Como eu poderia levar ajuda ou cura para as ruas se eu não sabia quais são as necessidades dessas pessoas?”

O pastor Keinath passou sete dias e sete noites nas ruas e agora sabe como essas pessoas pensam e a opinião que elas têm sobre as igrejas. Durante essa “semana de férias” em que viveu na rua, teve a oportunidade de pregar e orar pelas pessoas. Ele calcula que chegou a ter cerca de 75 ouvintes nas reuniões feitas na rua. “Não havia uma pessoa sequer , seja sem teto ou toxicodependente, que abertamente rejeitou a esperança que eu estava tentando oferecer”, disse.

Por isso, o pastor pretende mobilizar sua igreja e as outras da cidade a não olhar mais para os sem teto com uma atitude do tipo “tome um pouco de dinheiro ou comida e não me perturbe mais”. Thomas Keinath organizou em janeiro uma vigília de oração com outros pastores no parque Barbour Park, em Paterson. O tema foi “reconstruindo os muros e restaurando nossas ruas.”

“As pessoas têm de saber que vocês [cristãos] realmente se preocupam com elas. Isso é parte do que somos como crentes no Senhor. Minha identificação com eles derrubou muitas barreiras”, disse Keinath, que já pregou em 21 nações e entende esse como seu maior desafio.

Desde que voltou ao púlpito da Calvary, as vans da igreja estão buscando e levando os sem-teto que desejam participar dos cultos de domingos. Mas isso é apenas o começo do que o pastor está chamando de “solução a longo prazo”, que inclui a construção de um centro patrocinado pela igreja que pretende “abrigar os sem-teto ao mesmo tempo ajudá-los a recuperar-se, inclusive dos vícios em álcool ou drogas”.

Segundo Keinath, que afirma ter apoio total dos membros, a Calvary está seguindo o exemplo dado pelos cristãos de Cesaréia. No início do quarto século, a cidade foi atingida por uma praga. Enquanto todo mundo estava fugindo da cidade, os cristãos ficaram para cuidar dos doentes e moribundos.

Na ocasião, o historiador da igreja Eusébio escreveu: “Durante todo o dia, alguns cristãos cuidam dos moribundos e enterram os mortos. Há um número incontável de pessoas pelas ruas que não tem quem cuide delas. Enquanto isso, outros cristãos se encarregaram de alimentar os famintos”.

“Eu sinto”, explica o pastor, “como se Deus estivesse dizendo: Voltem para suas raízes. Volte para onde as pessoas estão sofrendo hoje”.

Traduzido e adaptado de Breakpoint e Calvary Temple Wayne

Fonte: Gospelprime.com.br

MINHAS REFLEXÕES:

Simples como o título deste artigo:

"um exemplo a ser seguido"!

LIBERDADE RELIGIOSA: Cristãos X Espíritas


TOLERÂNCIA OU INTOLERÂNCIA?

Evangélicos protestam contra instalação de estátua de Iemanjá

Aquilo que era para representar uma homenagem à diversidade e à união dos povos está à beira de uma briga religiosa.Evangélicos de São Vicente reuniram-se na tarde desta quarta-feira na Praia do Itararé para mostrar o descontentamento com um projeto de lei que prevê a instalação de uma escultura de Iemanjá no local.

O protesto deixou indignados representantes de religiões de matrizes africanas da Baixada Santista, que se dizem vítimas de preconceito e afirmam que o ato fere a Constituição Federal, que prevê a liberdade religiosa.A polêmica também ganhou a internet, onde várias pessoas de diferentes religiões criticaram o posicionamento dos evangélicos quanto à proposta do vereador Hilton Macedo (PSB).

Pelo projeto, uma estátua de 2,30 metros de altura por 1,05 metro de largura e pesando 230 quilos seria construída, sem custos para São Vicente, em homenagem à Mãe das Águas.
Estátuas de Iemanjá estão presentes em várias cidades brasileiras, inclusive em Praia Grande, que foi visitada por aproximadamente 30 mil pessoas em dois finais de semana de dezembro, durante festejos, conforme informações da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo.

Segundo Izaías Lopes, da Associação Amigos Pastores de São Vicente, o protesto não tem a intenção de cercear a liberdade de culto, mas sim a de demonstrar a democracia.“O culto deve ser exercido em locais apropriados. A praia não é o local. Além de haver um impacto ambiental devido às oferendas que serão deixadas na areia”, diz Lopes.

O vereador licenciado Fernando Bispo (PSB), atual secretário municipal de Comércio, Indústria e Negócios Portuários, chegou a dizer que antecipa sua volta à Câmara para derrubar o projeto.O presidente do Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial, Valter Guerreiro, que também é ministro religioso e pai-de-santo, classifica o ato dos evangélicos como intolerância religiosa. “Isso chega a ser um crime. Não vamos ficar parados assistindo uma cultura milenar ser tratada com preconceito”.O diretor-presidente da Federação Nacional da Religião Orixá, Gladston Bispo, declara repudiar a atitude dos evangélicos. “Estou muito machucado e constrangido com mais esse ato de violência ao longo dos tempos”, diz Bispo.

Data: 21/2/2012 08:00:00
Fonte: A Tribuna, via Creio.com.br

MINHAS REFLEXÕES


Preliminarmente, ressalta-se que o direito fundamental constitucional à Liberdade Religiosa ampara todas as religiões, inclusive os ateus e agnósticos!

No caso, em análise, penso que a propositura legislativa não deve prosperar, já que a praia é um local público e há de se observar a laicidade do Estado! Nem estátua de Iemanjá, nem bíblia, ou qualquer outro símbolo de qualquer religião!

O Artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos diz que "Toda pessoa tem direito liberdade de pensamento, consciência, religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença, e a liberdade de manifestar essa religião ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância, isolada ou coletivamente, em público ou em particular."

Porém, o espaço público é de todos, portanto, o Poder público não pode privilegiar, de maneira permanente, nenhuma religião! Os cultos são permitidos e, nesta oportunidade, os religiosos podem se utilizar das respectivas esculturas, porém, ao término do culto, devem retirá-las para que se preserve o Direito de todos!!!

Ainda, há de se observar o importante argumento sobre o impacto ambiental que poderá ocorrer, por oferendas deixadas nas areias.

Por fim, penso que se em outras cidades, a exemplo de Praia Grande, foram colocadas esculturas religiosas, sugiro que o povo que sentir-se ofendidos procure o Ministério Público da região e/ou proponha uma ação no Poder Judiciário, visto que o uso do espaço público privilegiando qualquer religião fere a laicidade do Estado, a Liberdade Religiosa!

Outra solução seria instalar esculturas correspondentes a todas as religiões, o que, a princípio, seria inviável ou inalcançável!
Se eu fosse vereadora na Cidade de São Vicente, certamente, não deixaria passar este Projeto de Lei na Comissão de Constituição e Justiça, por ser inconstitucional!

Assim, discordo que a negativa a este projeto de lei seja ação de intolerância religiosa! Pelo contrário, pede-se o respeito à Liberdade Religiosa!

RESPEITO A DIFERENÇA; RESPEITE A MINHA CRENÇA!!!


Eleições Municipais em SP: Fernando Haddad tenta convencer os evangélicos sobre o "kit gay"

Candidato a prefeito de São Paulo, Fernando Haddad quer encontrar líderes evangélicos para convencê-los a favor do “kit gay”

Por Dan Martins em 17 de fevereiro de 2012

Candidato a prefeito de São Paulo, Fernando Haddad quer encontrar líderes evangélicos para convencê-los a favor do “kit gay”

Em sua pré-campanha à prefeitura de São Paulo, o ex-ministro Fernando Haddad teria reagido nesta quarta-feira a ameaças políticas da chamada bancada evangélica no Congresso Nacional, por causa do chamado “kit gay” criado pelo Ministério da Educação quando ele era ministro. Segundo a revista Veja Haddad estaria ainda procurando líderes de igrejas com o objetivo de convencê-los a favor do kit.

De acordo com o O Globo o ex-ministro afirmou que a polêmica em torno do assunto estimula a violência em alguns indivíduos perturbados.

Haddad tenta também sustentar a versão de que o material que foi divulgado na internet como sendo do “kit gay” vazou antes de ser distribuído e que o MEC vetaria seu uso em salas de aula.

Porém assessores do MEC afirmam que Haddad tinha total conhecimento sobre o material “didático” pró-homossexualismo para as crianças das escolas públicas, que teria custado cerca de R$ 11 milhões dos cofres públicos.

O pré-candidato à prefeitura de São Paulo enfrenta diversos críticos que são contra suas ideias. O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), é um de seus maiores opositores e já está fazendo forte campanha contra sua candidatura. Na porta do gabinete do parlamentar foi colocado um cartaz que traz a pergunta: “As crianças de 6 anos terão aula de homoafetividade nas escolas?”.

Haddad disse ainda que lamenta que o debate sobre o tema não aborde adequadamente a violência contra as pessoas com outra orientação sexual.

Fonte: Gospel+

MINHAS REFLEXÕES:

Procurando convencer os evangélicos? Difícil, heim??? Aqui em SAMPA o povo evangélico está atento, Secretário!!!

"...lamenta que o debate sobre o tema não aborde adequadamente a violência..."? Claro que não!!! O fóco é fazer apologia ao homossexualismo, e o que é pior, com o dinheiro público!!!

Como assim, "o material que foi divulgado na internet como sendo do “kit gay” vazou antes de ser distribuído e que o MEC vetaria seu uso em salas de aula." Ué, gastou dinheiro publico para usar este material aonde??? Ficou pior, Haddad!!!

Povo de São Paulo, fiquemos atentos!!! Nossa cidade merece um Prefeito mais transparente!!! Confuso, o moço, né???



FICHA LIMPA: Vitória do Povo!!! Avança Brasil!!!

16/02/2012 20:09

Ficha Limpa: Decisão do STF reconhece vontade popular, dizem deputados

Arquivo/ Reinaldo Ferrigno
Francisco Praciano
Francisco Praciano: "A lei qualifica a democracia brasileira".

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de garantir a constitucionalidade da Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar 135/10) foi elogiada nesta quinta-feira por parlamentares. Para eles, a Corte reconhece o desejo da sociedade de limpar a vida política.

Por 7 votos a 4, os ministros do STF decidiram hoje que as regras já valem para as eleições municipais de outubro deste ano. Segundo a lei, políticos condenados pela Justiça em decisões colegiadas ou que renunciaram a cargos para fugir da cassação ficam proibidos de concorrer a cargos eletivos por oito anos.

Presidente da Frente Parlamentar Mista de Combate à Corrupção, o deputado Francisco Praciano (PT-AM) destacou o voto da ministra Rosa Weber, para quem “o cidadão que quer representar a população tem de ser diferenciado e, portanto, a Justiça deve ser mais rígida com ele”. "A Lei da Ficha Limpa é um aprimoramento do Estado brasileiro. É um 'não' aos currículos e comportamentos inadequados à representação popular e, portanto, uma qualificação da democracia brasileira”, afirmou.

Para o deputado Fábio Trad (PMDB-MS), a decisão do STF redimensiona a importância do papel político do cidadão na sociedade. “Política não é ocupação daqueles que querem tirar proveito material dela. É vocação, missão daqueles que estão embalados por ideais elevados”, disse.

Fábio Trad e o líder do Psol, deputado Chico Alencar (RJ), chamaram a atenção para a importância de os partidos selecionarem melhor seus candidatos. Mas destacaram que só a escolha consciente do eleitor pode garantir uma política ficha limpa.

Idealizadores
Para o cardeal Raymundo Damasceno, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, uma das entidades que promoveu a proposta de iniciativa popular, a entrada em vigor da lei é um passo para a melhoria do sistema eleitoral, que não dispensa outros aprimoramentos. “É fundamental que nós tenhamos cada vez mais representantes idôneos, capazes, qualificados”, afirmou.

Representante do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral e também um dos idealizadores da proposta, o juiz Marlon Reis explica que o STF decidiu basicamente duas questões: se a lei poderia barrar alguém por fatos ocorridos no passado e se ela não feria a presunção de inocência.

Fonte: Agência Câmara
Reportagem – Vania Alves/Rádio Câmara
Edição – Maria Clarice Dias


MINHAS REFLEXÕES

Realmente, a democracia representativa deve ser exercida por pessoas do bem, diferenciadas, idôneas, fichas limpas!!!
Penso que o pleito eleitoral deste ano será justo com os justos!
Concordo que fazer política é para os que tem vocação, ideais, chamado!!!
Só posso dizer:
Avança Democracia!!! Avança Brasil!!!

MAGNO MALTA X GILBERTO CARVALHO: Perdão ou "desculpas"???

Magno Malta aceita reconhecimento do Ministro, mas quer coerência nos atos


Gilberto Carvalho pediu perdão à bancada evangélica
Gilberto Carvalho pediu perdão à bancada evangélica

Para o senador Magno Malta (PR/ES) o pedido de perdão do Ministro secretário-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho deixa claro que realmente aconteceu à difamação, porém falta apontar os nomes dos pastores acusados e não foi correto responsabilizar a imprensa pela afronta ao segmento cristão

O Ministro Gilberto Carvalho foi ao Congresso Nacional explicar para os parlamentares religiosos os fatos que aconteceram durante o Fórum Social Mundial, em Porto Alegre. Mas, além de culpar a imprensa e dizer que tudo foi um mal entendido, Gilberto exigiu que a reunião fosse fechada, sem a presença de assessores e jornalistas. Senador Magno Malta, presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Família, não gostou e queira transparência para esclarecer todos os pontos que causaram o imbróglio político sendo considerada uma disputa ideológica.

Gilberto Carvalho pediu perdão à bancada evangélica e negou ter dito que o governo teria intenção de enfrentar os evangélicos pelo controle ideológico da classe C e que o Planalto prepara uma rede de comunicação para combatê-los. No entanto, pediu perdão pela repercussão das declarações dadas durante o Fórum Social Mundial. O ministro trouxe ainda um recado da presidente Dilma Rousseff reafirmando que o governo não vai tomar qualquer iniciativa para alterar a legislação sobre aborto.

"A presidente Dilma pediu que eu reafirmasse para a bancada que a posição do governo sobre o aborto é a posição que ela assumiu já na campanha eleitoral, que está escrita em todo esse processo e que a posição do governo está absolutamente clara e assim vai continuar", disse Carvalho, com um sorriso amarelo, evitando ser fotografado. “Isto eu já sei, para conversar com a Presidenta Dilma não preciso de interlocutor, mas agora vou acompanhar a coerência dos Ministros que falam sem antes ouvir a Dilma. Não teve nenhuma novidade, apenas Gilberto transferiu a responsabilidade do que falou para a imprensa”, relatou Magno Malta.

Cobrado por suas declarações, como era de se esperar, ele acusou a imprensa de distorcer suas palavras. Os parlamentares, entretanto, queriam mais: por iniciativa do deputado Anthony Garotinho (PSC-RJ), propuseram que o ministro assinasse um documento confirmando por escrito o desmentido. O petista não aceitou. "Ninguém pede perdão se não reconhece o erro", concluiu Magno Malta, líder do PR no Senado e o primeiro a atacar Carvalho nesta polêmica.

“Não podemos apedrejar ninguém. Cristão tem que buscar compreender os erros e as falhas do homem que não é perfeito. Mas errar de novo não aceitaremos. Melhor que pedir perdão é não repetir o erro. E, veja só, o Ministro derrapou na verdade, não assumiu o que foi dito pela imprensa e exigiu uma reunião secreta. Confiança é igual o cristal, quando quebra não tem remendo. Achei pouco proveitosa a explicação do Gilberto, que daqui para frente terá que ser coerente com suas palavras”, finalizou Magno Malta, com notório semblante de desapontamento.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Visite o site: www.magnomalta.com.br

MINHAS REFLEXÕES

Falei há pouco com o Senador Magno Malta que me informou que a reunião foi péssima, sem transparência, fechada (talvez, por vergonha de alguns...) tomada por um clima de "desculpas" (no sentido próprio da palavra - tirar a culpa e passar para a imprensa,...), tanto da parte do Ministro como, também, de vários Deputados Federais evangélicos, inclusive, alguns que estavam conosco na reunião da frente da Família, no dia 14, onde demonstraram a mesma insatifação com a fala de Gilberto Carvalho, porém, na frente do ministro, foram eles quem pediram desculpas e se solidarizaram com o Ministro!!! (será que ficaram "embebecidos" com a presença do ministro?) Pelo visto, um clima de falsidade e mais interesse político do que na defesa dos evangélicos!

Que vergonha!!! Penso que falar palavras fortes, que intimida e expõe, diretamente, a opinião, como reação à uma ação é uma cena de defesa e respeito ao Povo; outra, bem diferente, é falar "mansinho", tentando justificar com postura elegante e bonitas palavras a ação que, com jeitinho, expôs a moral dos evangélicos do Brasil! Pior que isto, é não assumir a responsabilidade e "sobrar" para a imprensa; Pior, ainda, é alguns parlamentares entrar neste jogo e "viajar na maionese", "acreditando" que tudo é lindo e fechar numa idéia de que, até para ofender tem de ter postura elegante!!! Pára!!! A nossa paciência tem limites!!! Infelizmente, por vezes, as coisas só acontecem no grito!!! Enquanto o parlamentar fica lá dizendo "amém" à tudo, o governo "deita e rola", porém, quando a reação é mais forte, o Governo vem até o Legislativo se justificar! Mas só vem, se for no grito, com certeza!!!

Por esta razão, registro aqui a minha admiração pelo Senador Magno Malta! Um parlamentar que sabe o momento de ouvir, de se adequar, de perdoar mas, principalmente, de gritar quando estão tentando fazer o seu Povo de idiota! Este é o representante que nos dá orgulho, que verdadeiramente, nos defende (pena, ainda, não representar o meu Estado, mas legisla para a Nação!). É preciso ter ética, com certeza, mas isto não significa que ficaremos feito uma marionete nas mãos do Governo!!!

Da minha parte, sempre que necessário, vamos fazer barulho!!!!

Estamos em ano de pleito eleitoral local: Reage, Brasil!!!!

POLÍTICA: Quando o Povo mostra sua força, vira o jogo!


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Magno Malta perdoa Gilberto Carvalho

O senador Magno Malta (PR-ES) disse ao Poder Online que perdoou o secretário-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, a quem havia xingado de safado por ter declarado que a próxima grande batalha do governo seria superar os conservadores evangélicos na influência sobre a chamada nova classe média

Hoje, Carvalho reuniu-se com a Frente Parlamentar Evangélica e declarou ter sido mal interpretado nas suas declarações..

Para Magno Malta, o meia culpa “não foi satisfatório, mas foi suficiente” para perdoar o ministro.


Fonte: http://colunistas.ig.com.br/poderonline/2012/02/15/magno-malta-perdoa-gilberto-carvalho/

MINHAS REFLEXÕES:

É isso aí!! Na hora de lutar por um direito, pulso firme! Na hora de perdoar, coração mole!!

Este é o povo de Deus!!! É isso aí, Senador!!!!!

Bancada evangélica decidiu cobrar da presidente Dilma Rousseff o cumprimento da posição quanto ao aborto


Quarta-feira, 15 de Fevereiro de 2012 as 10:33

Lideranças da bancada evangélica no Congresso decidiram cobrar da presidente Dilma Rousseff o cumprimento da posição assumida por ela com relação ao aborto, durante a campanha eleitoral. Também decidiram "repudiar" declarações do ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência da República) e rejeitá-lo como interlocutor do governo com o setor.

Em reunião no gabinete do senador Magno Malta (PR-ES), foram distribuídas cópias do documento "Mensagem da Dilma", assinado pela então candidata, no segundo turno das eleições de 2010, no qual ela diz ser "pessoalmente contra o aborto" e defende a "manutenção da legislação atual sobre o assunto".

Os evangélicos tentarão marcar audiência com Dilma, para tratar do assunto. Estão preocupados com a posição que a nova ministra da Secretaria de Política para as Mulheres, Eleonora Menicucci, defenderá no Comitê da ONU para a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres, nesta semana em Genebra.

"Ela é ministra abortista. Está indo para a ONU defender isso", afirmou Magno. "O comportamento dessa ministra não é compatível com o comportamento de quem vai conduzir as políticas públicas de um governo. As opiniões dela são contrárias às de governo. Então cabe à presidente enquadrá-la", disse o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Ele lembra que 30% dos eleitores do país são evangélicos.
Magno apela para a "lucidez" da presidente, lembrando o compromisso assumido com os "cristãos" na campanha, para tentar livrar-se da pecha de abortista, em documento público. "Se é [pessoalmente contra o aborto], não vai permitir que uma ministra dela jogue o governo contra o parlamento e o parlamento contra o governo dela. O parlamento repudia essa posição da ministra."

Com relação a Carvalho, evangélicos pretendem deixar claro o "repúdio" à sua declarações no Fórum Social Mundial. Em palestra, Carvalho defendeu que o Estado faça uma disputa ideológica por uma nova classe média, que estaria "sob hegemonia de setores conservadores". Falou do "papel da hegemonia das igrejas evangélicas, das seitas pentecostais, que são a grande presença para esse público que está emergindo".

Em discurso no Senado, Magno havia usado palavras como "safado" e "mentiroso" para criticar o ministro. Ontem, voltou a criticar Carvalho por dizer que o governo tem interesse em manter bom relacionamento com as pessoas de bem desse segmento. "Vou propor aos líderes que peçam para ele explicar judicialmente quem são as pessoas mal intencionadas desse segmento. Ele colocou todo mundo na vala comum."

A decisão dos evangélicos chegou ao Planalto e, minutos depois, Carvalho telefonou para o deputado João Campos (PSDB-GO), que preside a Frente Parlamentar Evangélica, para tentar contornar a situação.
O ministro foi convidado a participar de reunião marcada para hoje e explicar suas declarações. Aceitou o convite. A rápida resposta do Planalto é uma forma de tentar impedir que o incômodo dos evangélicos chegue até Dilma e que ela acabe perdendo o apoio do segmento.

Fonte: Valor econômico

MINHAS REFLEXÕES:

Estive na reunião, ontem, no Gabinete do SenadorMagno Malta, com a Frente Parlamentar em Defesa da Família e lideranças evangélicas que, também, tratou deste tema - foi muito produtiva! A cobrança à Dilma é legítima e, por mais que ela tente demonstrar que a opinião da nova ministra não é a do Governo, penso que ver nomear uma ministra abortista, que irá à ONU defender o aborto, em nome do Brasil, fica difícil acreditar que esta não é a vontade do Governo Dilma!!!

Entendo que a conversa com a Presidente deve ser neste nível!

Discurso sem ação são falácias, logo, não me convence!!


PERSEGUIÇÃO RELIGIOSA: Psicóloga cristã terá de omitir a sua fé, sob pena de ter sua inscrição no CRP, cassada!!

(Sen. Magno Malta, Dra. Teresinha Neves, Dep. Eduardo Cuha, Dep. Roberto Lucena, Pastor Everaldo - Presidente do PSC, Psicologa Marisa Lobo, Pr. Wilton Costa - FENASP, lideranças evangélicas)

Quarta-feira, 15 de Fevereiro de 2012


Na última quinta feira (09/02/2012 ) recebi uma ligação da psicóloga cristã Marisa Lobo, informando que acabara de sair de uma reunião com o Conselho de Psicologia do seu Estado, onde foi determinado o prazo de 15 dias para que ela retire o termo "cristã" de todas as suas redes sociais, sob pena de perder o registro no respectivo Conselho.

Imediatamente, liguei para o Senador Magno Malta e marcamos uma reunião em seu gabinete para o dia 14/02, com a Frente Parlamentar em defesa da Família, onde entre assuntos relacionados a fala do Ministro Gilberto Carvalho, contra os evangélicos, e a postura da nova ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, que faz apologia ao aborto, incluíria o caso da Psicologa Marisa Lobo.

A reunião foi muito produtiva. Concluímos que a primeira providência seria protocolar uma ação junto ao STF, visando garantir o direito constitucional à liberdade religiosa, já que a perseguição religiosa é cristalina! Concomitantemente, outras ações políticas poderiam ser desenvolvidas, no sentido de chamar a sociedade e o Poder Legislativo para este importante debate.

O mérito do caso Marisa Lobo está no fato de o Estatuto do Conselho ferir a Constituição Federal, nossa Lei Maior.

Ressalta-se que uma norma estatutária tem de respeitar a hierarquia das Normas, que tem a Constituição Federal no seu topo. Aos profissionais do Direito, lembram-se da pirâmide de Kelsen? Primeiro a Constituição Federal, na sequência a Constituição Estadual, Constituição Municipal, normas infraconstituicionais,... enfim, não é a "casa da Maria Joana"!!!

Aproveito para fazer um alerta: nem, sempre, o fato de estar escrito em norma, há a garantia de sua legalidade, constitucionalidade! Sabemos que para a aprovação de uma norma, estatuto, regimento interno, há de se fazer debates que envolvam diversos interesses; infelizmente, não poucas vezes, os interesses são de determinado público, ao invés de interesse público! De modo que, ao sinal de vir a burla de algum direito, exerça o seu "ius sperniandi" (direito de esperniar).

Outra análise, agora, no aspecto político: a função típica do Poder Legislativo é elaborar leis que atendam a necessidade do cidadão; mas para que o legislador tenha acesso as necessidades do Povo, é preciso que este as leve ao conhecimento daquele, assim, será possível a realização de debates que resultarão na feitura de normas. Para estes debates, chamamos a sociedade - à quem, lato sensu, se destina a norma. Chamamos, principalmente, o público, diretamente, atingido por esta norma, para que se componha um acordo que seja bom para todos. Realiza-se vários debates, audiências públicas, e, por fim, fecha-se numa idéia que é colocada no papel em forma de Projeto de Lei que, se aprovado, é levado à análise do Poder Executivo, que Sanciona (aprova) e pública ou veta totalmente (não concorda) ou veta parcialmente (concorda em parte)... o que pretendo mostrar, aqui, é que a ação da sociedade junto ao poder Legislativo é imprescindível para que se inicie um debate e posterior atendimento à necessidade pública.

Mas, preciso lembrar que, nem sempre, ações junto ao Poder Legislativo buscam a feitura de normas! Também há a proposta de levar à público e às Comissões temáticas das Casas Legislativas, fatos que acontecem na Sociedade, a fim de trazer soluções pautadas em diálogos, que não resultam em elaboração de leis e nem em ações no Poder Judiciário, mas na solução do problema apresentado, de maneira consensual, ou seja, onde as partes se ajustam e encontram a pretensa solução.

Estes foram os objetivos da nossa reunião. Decidir por uma medida judicial que ampare o Direito da Psicóloga Marisa Lobo e/ou encontrarmos uma solução que crie fato histórico que poderão servir de instrumento para o Poder Legislativo oferecer soluções ás demandas sociais!

Penso que caminhamos para excelentes resultados. Vários deputados e senadores entenderam o o problema apresentado pela psicologa e se posicionaram no sentido de unir forças para encontrarmos a, melhor, solução!

Aproveito a oportunidade para agradecer ao Senador Magno Malta, demais parlamentares, lideranças evangélicas que, de pronto, nos atendeu e, juntos, estamos buscando a ótima solução para o caso apresentado.

Este é o nosso objetivo! Ou seja, somar no contexto social, visando a cristalina justiça!



Senador Magno Malta, lideranças evangélicas e Frente da Família cobram posicionamento de Dilma

.


Frente da Família não quer interlocutor, mas vai falar com a Dilma

Na reunião realizada no gabinete do senador Magno Malta (PR/ES) lideranças religiosas decidiram entregar documento para a presidenta lembrando acordo que ela assinou durante o pleito eleitoral em defesa da vida, da família e dos valores cristãos.

A Frente Parlamentar Mista Permanente em Defesa da Família Brasileira, presidida pelo senador Magno Malta, decidiu que não vai mais conversar com o Ministro secretário-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho. “Pautas importantes que tratam da vida e da ética vamos direto, sem interlocutor, conversar com a presidenta Dilma, que já até assinou um protocolo garantido sua posição firme, que tanto transtorno trouxe durante a campanha eleitoral”, lembrou Magno Malta.

Após a reunião desta terça-feira, o Ministro Gilberto Carvalho ligou para o deputado federal, João Campos (PSDB/GO) líder da bancada evangélica, para uma reunião em seu gabinete. Mas o parlamentar recusou o convite e alegou que já tinha reunião marcada neste mesmo horário, às 10h30m, no gabinete do senador Magno Malta para elaboração do documento que será entregue pessoalmente a presidenta Dilma Rousseff. Assim, diante do impasse, o Ministro Gilberto Carvalho pediu para participar desta reunião com o senador e os parlamentares evangélicos.

Senador Magno Malta e deputado João Campos vão receber o Ministro Gilberto Carvalho no Congresso Nacional na manhã desta quarta-feira. Vai ser o primeiro encontro entre os parlamentares e o Ministro após o imbróglio político causado durante pronunciamento no Fórum Social de Porto Alegre.

O fato envolvendo os parlamentares e o Ministro está sendo visto com disputa ideológica e até guerra santa. Na reunião desta terça-feira – ontem – no gabinete do senador Magno Malta, foi mostrado o protocolo de intenções, assinado pela presidenta Dilma, que no artigo 2, declara ser pessoalmente contra o aborto e que não farias nenhuma alteração na legislação neste sentido. “Estamos em paz com nossa consciência, somos aliados da presidenta e sabemos de sua convicção cristã e não precisamos de interlocutor para este assunto, mas vamos receber o Ministro nesta manhã de quarta-feira. Todo cristão sabe que deve perdoar, que deve compreender e tratar o próximo como irmão. Seja qual for o assunto, o Ministro será tratado com respeito e dignidade”, disse Magno Malta, no início da noite, após pronunciamento no Senado Federal.

“Trata-se de uma questão fechada. A Frente da Família, que tem a maioria no Congresso Nacional não aceita a legalização do aborto, mesmo sendo defendida pelos Ministros como questão de saúde pública. Defendemos uma família estruturada que possa refletir uma sociedade também estruturada. Assuntos que alteram costume, comportamento e refletem na família não devem ser vistos apenas pela ótica da legislação. É um tema delicado e precisa ser conduzido com habilidade e ética”, acentuou Magno Malta.

No plenário do Senado Federal, Magno Malta mostrou vontade polpítica em conduzir este tema com paz e serenidade, mas não permitirá que nenhum Ministro interfira no compromisso já assinado pela própria presidenta. “Não somos conservadores, pelo contrário, o cristão é flexível, pois sabe perdoar. Continuou com minhas convicções e não altero uma palavra no que já falei, porém, vamos receber o Ministro como servo de Deus, como homens de boa vontade e representantes de uma sociedade que não aceita mudanças de costumes sem um debate maduro e consistente. Volto a reafirmar os evangélicos do Brasil não precisam de interlocutores”, finalizou Magno Malta.

Fonte: Assessoria de Imprensa


MINHAS REFLEXÕES:

O artigo fala por si só.

Estivemos lá junto o o Pastor Milton Bernal - vice presidente da Igreja Comunidade da Fé.

A reunião foi muito produtiva, com importantes encaminhamentos já agendados!!!

É isso aí!!! Quando o Povo de Deus se une, vemos os resultados!

Não podemos nos calar, ainda que o maior Poder da Nação nos sugira!!!

Somos Embaixadores na Terra!!!

Eis-me, aqui, Deus!!!

Senador Magno Malta crítica fala de Ministro.




Senador Magno Malta crítica fala de Ministro Gilberto Carvalho: " Evangélicos possuem uma visão de mundo controlada por pastores de TV e que o governo deveria travar com eles uma disputa ideológica".
















































DIETA SAUDÁVEL - mais uma dica do Hospital do Coração

Dicas

Afinal, o que é uma dieta saudável?

É cada vez mais difundida a convicção de que a alimentação é um fator que interfere diretamente na saúde e na qualidade de vida das pessoas, auxiliando no desenvolvimento físico e contribuindo na prevenção de doenças. A propalada “dieta saudável” é defendida em programas de televisão e nos veículos de imprensa como sendo uma recomendação a ser seguida por todos. Mas, afinal, o que significa uma dieta saudável?

Em primeiro lugar, é preciso definir claramente quais são os objetivos buscados na dieta e isso varia de indivíduo a indivíduo, alerta Rosana Perim, gerente de Nutrição do HCor. “Uma pessoa com diabetes tem determinadas restrições, que diferem daquela com propensão a hipertensão ou colesterol elevado”, exemplifica a nutricionista.

Algumas recomendações valem para todos. Evitar frituras e gorduras em excesso, ingerir alimentos com fibras e consumir álcool com muita moderação são alguns dos hábitos que podem ser seguidos sem restrição por qualquer pessoa. Quando os objetivos são mais específicos, entretanto, convém ser mais focado nos hábitos alimentares que devem ser obedecidos.

Para compreender melhor o significado de uma dieta saudável, a nutricionista do HCor utiliza como exemplo o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, que afeta uma parcela significativa da população. Sabe-se que, nesses casos, a ingestão de gorduras deve ser o principal ponto de preocupação, pois o acúmulo de gordura no sangue pode levar ao infarto ou provocar um acidente vascular cerebral. Uma dieta saudável suprime, então, o consumo de alimentos com gordura? Errado.

As gorduras também desempenham importante papel no organismo, como manter a temperatura e auxiliar na produção de hormônios. O segredo é saber distinguir entre a gordura saudável e a nociva. A gordura saturada, encontrada em alimentos de origem animal – como derivados do leite e carnes vermelhas -, leva ao aumento do colesterol no sangue e, consequentemente, a uma elevação no risco de doenças cardiovasculares. A gordura trans – presente em alimentos industrializados, como batatas fritas, biscoitos e salgadinhos – é ainda mais nociva. Já as gorduras insaturadas – existentes em alimentos de origem vegetal, como óleo de canola, azeite de oliva, abacate e oleaginosas (como castanhas, nozes e amêndoas) e alguns peixes marinhos – protegem o sistema cardiovascular e, portanto, seu consumo é recomendado.

Comer de forma saudável, segundo destaca a nutricionista Rosana Perim, também auxilia no combate ao sobrepeso e à obesidade, dois fatores que, por si, são responsáveis pela elevação do risco de uma série de doenças. “Os benefícios de uma dieta saudável são ainda mais consistentes se for acompanhada da prática regular de atividades físicas”, acrescenta a nutricionista do HCor.

Por: HCor

Fonte: www.hcor.com.br

MINHAS REFLEXÕES;

Nosso corpo é "templo do Espírito Santo", portanto, muuito especial!

Cuidemos dele!

Fica aqui, mais uma dica!

DICA: AGUA EM EXCESSO PODE PREJUDICAR A SAÚDE!

Até água, se ingerida em excesso, pode ser prejudicial

Há uma crença muito difundida de que beber um grande volume de água diariamente traz benefícios para a saúde. Os partidários dessa “lenda” chegam a quantificar a orientação, indicando que se deve ingerir no mínimo dois litros por dia, o equivalente a oito copos. Além de produzir um sentimento de culpa naqueles que não conseguem alcançar essa meta – especialmente em épocas de frio, quando se sente menos sede -, a recomendação é equivocada e pode produzir mais danos do que os pretensos benefícios perseguidos.

“A quantidade necessária de água a ser consumida é controlada pelo cérebro, que dispõe e processa as informações transmitidas por receptores existentes em todo o organismo”, explica o fisiologista Diego Leite de Barros, do Sport Check-Up do HCor. É um mecanismo sensível que encontra na sede o indicador mais preciso e confiável da quantidade de água necessária. O organismo tem, portanto, a capacidade de se autorregular, pois a falta ou o excesso de água podem produzir danos às células e ao organismo de modo geral.

A ingestão de água tem também a finalidade de diluir o sal que é consumido com os alimentos. Quando se ingere água em excesso, corre-se o risco de reduzir as taxas de sódio no organismo, o que pode provocar tremores, confusão mental e perda de memória. As células do cérebro podem igualmente se ressentir dessa água em demasia.

O estabelecimento de um volume obrigatório de água a ser ingerido diariamente, mesmo quando não se está com sede, é recomendado em casos específicos, como pessoas propensas à formação de cálculos renais – “pedras nos rins”-, crianças pequenas ou idosas que, eventualmente, podem não sentir ou manifestar a sua sede.

Mesmo durante a atividade física a ingestão de líquidos deve obedecer aos sinais emitidos pelo organismo. “O excesso de água durante o exercício muitas vezes pode diluir e provocar a eliminação de certas substâncias, como vitaminas, sódio e sais minerais, que são essenciais para o funcionamento equilibrado do organismo”, ressalta o fisiologista do HCor.

A reposição de líquidos é, sem dúvida, um cuidado muito saudável, que não deve ser negligenciado. Entretanto, como em todas as situações, o excesso carrega também seus riscos, mesmo que esse excesso seja de uma substância como a água, sempre associada à saúde.

Por: HCor

Fonte: www.hcor.com.br

MINHAS REFLEXÕES:

Achei importante compartilhar esta informação.

Há uma cultura que nos leva a beber muuita água, porém, há de se observar as importantes dicas, neste artigo do Hospital do Coração de São Paulo.

Fiquemos atentos!


LIBERDADE RELIGIOSA - Bola da vez: CRISTIANISMO

RELIGIOSIDADE

BOLA DA VEZ

Cristianismo ainda é a fé que mais cresce no mundo, diz estudo

O segmento de fé que mais cresce são os evangélicos, adicionando cerca de 60.000 fiéis por dia, revela o estudo anual “Estado das Missões Globais”.

Segundo o estudo anual “Estado das Missões Globais” o número de ateus e não religiosos diminui a cada dia no mundo. “Especificamente, neste milênio (de 2000 a 2011) a categoria ‘não religiosa’ perde cerca de 700 adeptos por dia, enquanto os ‘ateus’ perdem 300. Ou seja, nos últimos 11 anos, os “infiéis” perderam 2,7 milhões de adeptos e os ateus, 1,37 milhão.

O segmento de fé que mais cresce são os evangélicos, adicionando cerca de 60.000 fiéis por dia. Em seguida vem o catolicismo, que aumenta 34 mil pessoas por dia. No Islã nascem 79 mil fiéis diariamente e no Hinduísmo, 37.000.

Comparando esses números com 1970 (em plena revolução sexual no Ocidente e ateísmo comunista na Europa) percebe-se que, em 41 anos, o ateísmo perdeu 28 milhões de adeptos. Por outro lado, pessoas que se denominam ‘não-religiosas’ cresceram mais de cem milhões. Devido à queda dos regimes comunistas, muitos que antes se declaravam ateus agora dizem apenas ser ‘não-religiosos’. Da mesma forma, na China, no Vietnã e em outros países comunistas, muitos preferem dizer que são ‘não religiosos’ em vez de ateus.

Portanto, no século 21 o número de ateus irá diminuir enquanto as religiões continuarão crescendo. Isso inclui a recuperação do Judaísmo (15,1 milhões em 1970 e menos de 14 em 2000) que agora tem 14,9 milhões de membros.

Os seguidores de outras religiões estão distribuídos da seguinte forma:

- O cristianismo, com todas as suas variantes, soma 2,3 bilhões de pessoas, aumentando 94 mil pessoas por dia (entre protestantes, católicos e ortodoxos).

- Muçulmanos, com quase 1,580 bilhão de adeptos, cresce a uma taxa de 79.000 fiéis por dia.

- O Hinduísmo conta hoje com 952 milhões de adeptos e aumenta em 37 mil a cada dia.

- O Budismo tem 468 milhões fiéis, somando mais 13.800 por dia.

- Taoísmo chinês e o confucionismo já são 457 milhões, ganhando 9.300 seguidores por dia.

- As religiões étnicas totalizam 269 milhões de seguidores, aumentando cerca de 9.000 por dia.

Estima-se que ainda há no mundo dois bilhões de pessoas que nunca ouviram a mensagem do evangelho de forma clara. Outros 2,680 bilhões já ouviram falar ou conhecem um pouco, mas não são cristãos.

Entre os cristãos

A Igreja Católica totaliza 1,160 bilhão de fiéis, de acordo com este estudo, ganhando mais 34 mil por dia.

As igrejas protestantes (incluindo os anglicanos) totalizam 1,125 bilhão de fiéis no mundo.

O total de pentecostais é 612 milhões, crescendo 37 mil por dia.

Os protestantes “tradicionais” são 426 milhões, acrescendo 20.000 por dia.

Os anglicanos, principalmente da África e Ásia, totalizam 87 milhões, com mais 3.000 se unindo a eles a cada dia.

Finalmente, a igrejas ortodoxas possuem 271 milhões de seguidores, ganhando apenas 5.000 por dia.

O estudo entende que as “seitas cristãs” (Testemunhas de Jeová, mórmons, grupos que duvidam da Trindade ou da divindade de Jesus, etc …) são apenas 35 milhões, crescendo a uma taxa de 2.000 por dia.

Mais Dados

É preciso entender que a maneira mais fácil de fazer um grupo crescer é pelo nascimento. Quanto mais filhos, mais fácil é de ajudar a sua tradição religiosa. Outra forma é a conversão. Mesmo sendo menos fácil de contabilizar, especialmente onde são proibidas, ocorre aos milhões a cada ano. A situação mais comum é um cônjuge aderir à religião do outro.

Outro dado curioso é que em 2011, estima-se que são colocadas mais de 71 milhões de Bíblias (em suas diversas versões) no mundo a cada ano. Calcula-se que existe hoje 1.740 bilhão de Bíblias disponíveis no planeta, muitas delas de forma clandestina.

Fonte: Portal www.creio.com.br


MINHAS REFLEXÕES:

Sou defensora da Liberdade Religiosa!

Sou cristã evangélica e confesso que ver o crescimento do Cristianismo, precisamente, do evangélico me deixa muito feliz!

"Ensine o seu filho no caminho em que deve andar e quando for moço não se desviará dele" (Provérbios 22:6)


FIM DAS SACOLINHAS PLÁSTICAS - o que você pensa sobre o assunto? Leia, ao final, Minhas Reflexões e deixe seu comentário! Exercendo a Cidadania!

A polêmica das sacolinhas

Os primeiros dias após o fim da distribuição das embalagens plásticas nos mercados são marcados por dúvidas, filas e confusão

Claudia Jordão | 08/02/2012

A pedagoga Sueli: compras menores por causa da dificuldade com o novo sistema

A pedagoga Sueli: compras menores por causa da dificuldade com o novo sistema

Cida Souza

Um acordo entre o governo do estado, a prefeitura municipal e a Associação Paulista de Supermercados (Apas) baniu, desde o dia 25, a distribuição gratuita de sacolas plásticas em 2.600 lojas com o objetivo de reduzir o descarte de 6,6 bilhões de embalagens por ano (1,8 bilhão delas só na capital). A iniciativa tem por trás uma louvável preocupação com o meio ambiente. Além de ser derivado do petróleo, o produto demoraria até 400 anos para se decompor depois de jogado no lixo, de acordo com alguns estudos. Como o tal acordo não tem valor de lei, a adesão é voluntária. Na cidade, 95% dos supermercados já embarcaram na campanha, cujo slogan é a frase “Vamos tirar o planeta do sufoco”. A maior parte da população também se mostra simpática à ideia. Segundo pesquisa divulgada na semana passada pelo instituto Datafolha, 57% dos paulistanos apoiam a mudança.

Esse clima favorável entre a opinião pública, porém, não se refletiu nos humores de quem precisou passar pelos caixas na semana passada. Apesar da farta divulgação, muitos acabaram pegos de surpresa. Mesmo as pessoas que se preveniram para esta nova fase confessam ainda estar confusas sobre como substituir as sacolinhas. “Está difícil”, dizia a pedagoga Sueli Castanho Nastri, enquanto pagava a conta na loja do Pão de Açúcar da Vila Clementino, na Zona Sul. Sua dificuldade era encontrar a melhor opção para levar as compras. Já tentou usar caixas de papelão, que, embora sejam distribuídas sem custo, nem sempre estão disponíveis. Também experimentou uma sacola retornável de tecido, cuja alça se rompeu com o peso. “Estou acostumada a levar mercadorias para duas semanas, mas hoje só vou adquirir comida para o dia, porque não sei mais como transportar grandes quantidades”, contou. O presidente da Apas, João Gallassi, no entanto, aposta que as dificuldades serão passageiras. “É preciso um tempo de adaptação para que tudo se ajeite”, acredita.

Para substituir as antigas embalagens, as empresas oferecem agora sacolas biodegradáveis. Elas são produzidas a partir de amido de milho e levam de seis meses a dois anos para sumir do planeta. Ou seja, essa versão seria uma evolução em termos ambientais. O inconveniente do negócio é que os mercados estão cobrando pelo produto (0,19 real, em média). “Não acho justo onerar o consumidor e lucrar com algo que antes era oferecido gratuitamente”, afirma a publicitária Joan na Sottomaior. Segundo a Apas, o valor cobrado é o preço de custo da embalagem verde. Empresários do setor dizem ainda que a venda será provisória. “Numa segunda fase do programa, essas sacolas também vão sair de circulação. Elas estão sendo oferecidas agora apenas para não deixar as pessoas na mão”, diz Felipe Zacari Antunes, gerente de sustentabilidade do Walmart Brasil.

Outra queixa comum dos consumidores é terem de se programar para fazer compras, carregando para o ponto de venda suas próprias embalagens, caso não queiram pagar pelas sacolas biodegradáveis. “Saí de casa para resolver várias coisas e decidi passar na venda”, conta o corretor Lucas Nascimento. “Precisei levar tudo na mão.” Até mesmo os iniciados sofrem. A agente de turismo Tatiana Ribeiro tem uma coleção de ecobags, caixas dobráveis e de papelão, e sabe muito bem onde acomodar da melhor forma cada item adquirido. “O problema é que levo uns vinte minutos para guardar tudo, e as pessoas no caixa olham feio”, diz. A demora dos clientes em acondicionar as mercadorias antes de levá-las para casa — especialmente em carrinhos, que exigem cuidados para que os alimentos frágeis não sejam esmagados — também vem contribuindo para o aumento das filas.

Grandes redes como Pão de Açúcar, Walmart e Carrefour, além de outros mercados menores, criaram gôndolas recheadas de opções para os órfãos das sacolinhas. Cinco dias antes do fim da distribuição, o Pão de Açúcar, que vende catorze tipos de ecobag, reduziu o preço de seus sacos de ráfia (um tipo de plástico mais resistente) de 2,99 reais para 1,99 real. A rede Dia assinou o termo de compromisso com a Apas de banir a distribuição, mas só o fez em cerca de cinquenta endereços na capital. Em outros 100, incluindo os da Vila Madalena e da Vila Mariana, as velhas sacolinhas à base de petróleo ainda são fornecidas — o que tem atraído muitos fregueses. “Vou continuar vindo aqui, porque acho mais negócio”, afirma a estudante Luiza Gomes. Por meio de sua assessoria, o Dia informou que o material em questão é sobra de estoque e sumirá gradualmente de suas lojas.

SOCORRO NO CAIXA
As alternativas disponíveis para empacotar e carregar as mercadorias

SACOLA REUTILIZÁVEL

Divulgação

Fernando Campos

De diversos materiais, como algodão ou plástico resistente, funciona tanto para compras menores quanto para maiores. Há diversos modelos disponíveis nas principais redes.
Preço: de 0,49 a 13,90 reais

CAIXA DOBRÁVEL

Divulgação

Fernando Campos

É a opção mais prática para acomodar os produtos no porta-malas. É ideal para o transporte de objetos pesados, como garrafas, latas e vidros.
Preço: 35 reais (em média)

CARRINHO DE FEIRA

Divulgação

Fernando Campos

Clássico, é a melhor pedida para quem mora perto do mercado. Sua desvantagem está na distância entre as grades (itens pequenos escorregam para fora). A dica é combiná-lo com uma sacola retornável para artigos menores e leves.
Preço: 60 reais (em média)

CARRINHO DE PANO

Divulgação

Fernando Campos

Numa versão moderna, é feito de lona e protege os alimentos. Mas, é preciso ter cuidado ao usá-lo. Como não há grade para separar as compras frágeis, os materiais mais pesados devem ser colocados na base.
Preço: 45 reais (em média)

**********************************************************************************

É uma boa ideia acabar com as sacolas plásticas?

Especialistas comentam a medida, que terá início com acordo a ser assinado segunda (9) entre o governo de São Paulo e a associação de supermercados

Catarina Cicarelli | 11/08/2011

Sacola retornável: opção para não gastar 19 centavos com sacolinhas biodegradáveis

Sacola retornável: opção para não gastar 19 centavos com sacolinhas biodegradáveis

Germano Luders

Uma São Paulo com mais lixões, dos quais saem baratas e ratos em proporções bem acima das que a população se acostumou a ver. Esse cenário de filme de terror está entre os pintados por opositores de uma medida que, à primeira vista, soa bastante simpática: a extinção das sacolas plásticas distribuídas em supermercados paulistanos. OK, mas que tipo de matemática é capaz de transformar uma iniciativa de defesa do meio ambiente num problema de saúde pública?

Vamos ao primeiro elemento da equação. Está prevista para segunda (9) a assinatura de um acordo entre o governo do estado e a Associação Paulista de Supermercados (Apas) para que as bolsas plásticas deem lugar a uma versão biodegradável, feita de amido de milho — as primeiras demoram 300 anos para se decompor, enquanto as ecocorretas duram apenas 120 dias. Embora não tenha caráter de lei, a regra conta com apoio de pesos-pesados do setor, como o Grupo Pão de Açúcar, o Carrefour e o Walmart. Ninguém em sã consciência há de questionar a importância que a medida tem para o meio ambiente, principalmente diante do fato de que, no Brasil, são usadas por ano 135 milhões de sacolas.

Só que a conta terá de ser paga pelo consumidor. E é aí que começa a se desenhar a ideia descrita no começo deste texto. Os clientes poderão, naturalmente, levar ao mercado suas próprias bolsas retornáveis (a turma da moda já se empolga com a ideia de usar sacolas antiguinhas de feira, por exemplo). Quem não o fizer, no entanto, precisará pagar 19 centavos por unidade da versão de amido de milho. “As classes altas provavelmente não darão bola para esse custo extra, mas e as pessoas de menor poder aquisitivo?”, afirma Miguel Baiense, opositor da medida que, não por acaso, é presidente do Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos, a Plastivida. Além disso, quem antes reaproveitava o plástico para jogar lixo fora, precisará comprar sacos para a mesma finalidade. “O recomendável seriam os também biodegradáveis ou os reciclados”, diz Paulo Pianez, diretor de sustentabilidade do Grupo Carrefour.

Custo embutido

Cada saco de lixo desses custa 50 centavos — as grandes redes de supermercados pagam pelas de plástico 2 centavos a unidade. O médico veterinário e higienista ambiental Angelo Boggio, que ganhou o apelido de Doutor Ratão por sua especialidade em eliminar roedores e outras pragas, acredita que sem as sacolinhas parte da população começará a despejar detritos em lugares impróprios, como terrenos baldios ou mesmo tonéis — era assim antes de se tornar comum o uso de sacolas plásticas, na década de 80. “Nesses locais, poderá mesmo haver proliferação de ratos e baratas”, avalia. “E, consequentemente, as doenças trazidas por eles.”

Segundo o presidente da Apas, João Galassi, não é bem assim. “As pessoas hoje já pagam pelas sacolas, mas o valor está embutido nas mercadorias”, defende. “É possível que os preços dos produtos diminuam.” Pode soar como papo de comerciante, e até certo ponto é mesmo. Porém, alguns estabelecimentos já oferecem descontos a quem abre mão das “vilãs” feitas de plástico. O Walmart, por exemplo, dá crédito de 3 centavos a cada cinco produtos que o cliente leve em sua própria sacola. O Pão de Açúcar desconta 10 centavos, caso seja usado um saco retornável ou uma caixa de papelão para o transporte das compras.


Questão de educação

Para Gil Anderi da Silva, professor de Engenharia Química da USP e pesquisador de Gestão Ambiental, antes de riscar do mapa as sacolas plásticas seria necessário educar a população para seu uso. “O problema é o desperdício decorrente do fato de as sacolas serem gratuitas”, diz. Um dos caminhos apontados por ele seria apostar em aterros controlados em que as mesmas pudessem ser despejadas.

Uma pesquisa feita pelo Walmart em parceria com o Ministério do Meio Ambiente em outubro do ano passado constatou que, no estado de São Paulo, 33% dos entrevistados apoiam a iniciativa de não utilizar mais sacolas plásticas. No município de Jundiaí (SP), desde agosto do ano passado foi implantado um projeto-piloto da Apas. Houve 75% de aprovação dos consumidores, e a distribuição de sacolas diminuiu em 95%. Até o momento, sem registros de efeitos apocalípticos como o descrito no início da reportagem.

Fonte: Revista Veja

MINHAS REFLEXÕES:

De fato, a medida é boa, a proposta é interessante como medida preventiva à proteção do Meio Ambiente, portanto, me surge uma pergunta: quem vai pagar esta conta??

É sabido que toda medida importante tem os prós e contras, claro, mas quando se trata de mexer no bolso, certamente, deveria onerar aos que têm mais condições financeiras, logo, os donos de supermercados e não os consumidores!

Discordo da cobrança do valor de R$ 0,19 por sacolinhas. Imaginem uma compra grande/mensal... quanto ficaria esta conta?

Não vejo como boa, a composição de acordo que onere, mais, o consumidor! Entendo que a prevenção é para todos, mas os empresários do setor quem deveria custear esta transição, já que se pensa em trabalhar condutas de conscientização...

O povo deve ser educado, ensinado a proteger o meio ambiente, com certeza, mas há de se pensar em todas as medidas necessárias para que se alcance este objetivo!

Por que não foi feito um planejamento a ser implantado no período "vacacio legis"? (período da adaptação para que a lei entre em vigor).

Quando o legislador pensa e faz um norma, deve analisar os impactos advindos em decorrência dela... pode/deve, inclusive, estabelecer, no texto da norma, as ações a serem praticadas de tempo em tempo para que esta norma tenha eficácia no mundo socio-juridico. O período de adaptação da sociedade à norma deve ser muito bem pensado para que, quando entrar em vigor, não se perca tempo fazendo debates e tentando responder questões que já poderiam estar solucionadas!

Não entendo por que o Legislativo (ao aprovar a lei) e nem o Executivo (ao sancionar a lei) conseguiram fechar estas importantes questões, no respectivo período!? É possível que surjam novas questões, mas estas, em debate, eram óbvias!

Assim, entendo que a norma é importante, mas que os empresários do setor devem custear as sacolas ecológicas, até que a sociedade aprenda e se adeque à nova realidade. Esta idéia de que o consumidor paga de qualquer jeito (nos valores dos produtos) está difícil de engolir - se realmente fosse assim, por que já não fizeram a substituição sem onerar, diretamente, o consumidor, já que a sacola ecologica seria por um período de adaptação? O empresário paga as sacolas e trabalha o processo de conscientização, nas lojas, via imprensa,... ensinando o consumidor a aproveitar, melhor, cada sacola, bem como a trazer a sua sacola reutilizável!

Ainda, há de se pensar em solução para os sacos de lixo. As sacolinhas, posteriormente, são utilizadas, pelo consumidor, para colocar lixos. E agora, todos os sacos de lixos seriam, então, também, ecologicamente corretos? Se sim, quanto custaria? Se não, será que o problema, objeto desta polêmica, seria solucionado? Compartilho da reflexão do higienista ambiental Angelo Boggio, sobre o fato dos consumidores passarem a "depositar detritos em lugares impróprios"!

Vemos que, ainda, há muito por se pensar para depois vermos esta medida como solução!

Enfim, afirmo mais uma vez, que esta medida é importante, desde que, melhor, pensada! Ressalto que, enquanto consumidora, estou disposta a fazer a minha parte para o melhor do nosso Ambiente, desde que a conta, no período de transição, seja paga por quem tem mais condições financeiras, ou seja, o empresário do ramo.

Aqui em casa, já levamos a nossa sacola retornável, quando fazemos pequenas compras. Ainda não fiz a compra mensal para saber como vou transportar os produtos, mas imagino que se eu não encontrar caixas ou tiver que pagar R$ 0,19 sacolinhas, ficarei bastante stressada!

E você, o que acha desta medida? Deixe seu comentário! Sua opinião é muito importante! "Todo poder emana do povo"! É de você para você, cidadão (ã).